Publicado em 24 de março de 2015 às 16:22

Aeroportos de Congonhas, Manaus e Santos Dumont não participarão de plano de concessões da Infraero

Estatal precisa da receita dos aeroportos para se manter

O ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, informou nessa quarta feira (24) no seminário Airport Infra Expo, em Brasília, que os aeroportos de Congonhas (SP), Manaus (AM) e Santos Dumont (RJ) não entrarão no plano de concessões dos aeroportos da Infraero. De acordo com o ministro, os três aeroportos são essenciais para o sustento da estatal, que passará por uma reforma, e retomará o programa de concessões em 2016.

A empresa passa por um momento de prejuízos e redução da receita, e o ministro afirma que, mantendo os três aeroportos, após a sua reestruturação, a Infrero será capaz de se sustentar com as prórpias receitas.

Sobre a Infraero

A empresa estatal de gerenciamento de aeroportos iniciou concessões de alguns dos seus principais aeródromos à iniciativa privada em 2012, e até hoje são cinco aeroportos em que a estatal é sócia minoritária: Aeroporto de Guarulhos (SP), Aeroporto de Brasília (DF), Aeroporto de Viracopos (SP), Aeroporto Galeão (RJ) e Aeroporto Confins (MG). Além dos cinco, em que tem parte, a empresa concedeu integralmente o Aeroporto de Natal (RN). A Infraero é hoje responsável por 60 aeroportos no país. Há a intenção de concessão após a reestruturação da empresa também dos aeroportos de Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC) e Salvador (BA).